10 de mai de 2008

Ser Nerd é cool...


Antes, ser nerd significava ser zoado. Era um fardo que certos desafortunados incompreendidos tinham o azar de carregar. O preconceito imperava e a nerdalhada sofria.

A primeira definição documentada da palavra ‘nerd’ aconteceu, segundo o dicionário Merriam-Webster, para designar uma criatura no livro ‘If I Ran the Zoo’ (1950), do psicólogo Dr. Seuss (Theodor Geisel). Teoricamente, definiria uma pessoa socialmente inepta ou então alguém dedicado de maneira quase escrava às atividades intelectuais ou acadêmicas. E essa definição acarretava em que? Mais preconceito. Mas, como vivem dizendo por ai o mundo dá voltas e finalmente foi realizada a Vingança dos Nerds! E eu não estou falando do maravilhoso filme de 1984.


É meu amigo, ser nerd está na moda. O assunto não é lá tão recente e já rendeu matéria na Superinteressante e reportagem na Band, mas ainda assim eu acho que vale a pena ser comentado.

Parafraseando do mestre Lewis Skolnick (Robert Carradine), o personagem principal do já citado ‘A Vingança dos Nerds’, "são pessoas que não têm vergonha de se assumir como são". E eu concordo plenamente com isso. E esse pensamento é cool. Agora somos aceitos e nos damos bem socialmente. Profissionalmente não é novidade...

Não só na área da tecnologia e internet, mas também no cinema, TV e música. Dando ênfase ao cinema e seriados de TV, temas ligados á ciência, ficção científica e os revivals anos 80 (aposto uma Skol que a idéia surgiu de um Nerd saudosista) estão em alta. É só ver os Blockbusters mais atuais: eles são de cunho nerd e funcionam muito bem para todos, incluindo as “pessoas normais”.

Séries? Lost, CSI, Heroes, House, Big Bang Theory, Chuck... Temas Nerd! Aliás, não só temas como personagens que, mesmo caricatos, fazem sucesso. E estão por aí aos montes: Desde os mega-nerds de Big Bang Theory, passando por Hiro, Hurley até Sam Witwicky, o dono do Bumblebee em Transformers interpretado por Shia LaBeouf. Eles viraram ícones pop e são aclamados mundialmente. São legais, divertidos e estão no foco principal.

Socialmente falando, ainda existe o estereótipo clássico de nerds anti-sociais, introspectivos que preferem manterem-se reservados e não se dão bem no esporte. Mas quem disse que esses caras não podem ser legais? Assim como existem os nerds mais soltos cujas habilidades são socialmente desejáveis, que sabem levar uma boa conversa, são ótimos esportistas e que curtem baladas. Particularmente, sou uma negação para esportes e prefiro uma boa conversa sobre filmes, livros, piadas inteligentes, papo-cabeça, tecnologia e informação a uma balada. Se essa conversa for acompanhada com cerveja, perfeito! Sou só mais um tipo dos muitos tipos de nerds que existem por ai. Agora todas as variações são aceitas pelos não-nerds.

Só pra fechar, ouso dizer até que as "pessoas normais" estão ficando um pouquinho mais nerds, aceitando muito mais a cultura-pop e aprendendo a atender os antes ditos caras estranhos. Mas, na boa? Ser nerd é pra quem é e não pra quem quer!



Nota do editor: o título desse post é tão simples, direto e ao mesmo tempo verdadeiro, que seria um pecado não lembrá-lo permanentemente como um slogan desse blog ;)

Um comentário:

  1. É, ser nerd está na moda... Mas é aquilo que está no fim do post. Ser nerd é pra quem É e não pra quem quer. Foda, Thi, arrebentou!!! =**

    ResponderExcluir